Publicações

Publicado em O SERRANO, dia 15 de abril de 2022


Infraestrutura Residencial para Tecnologias

Atualmente, com o mercado da construção civil aquecido, o que vemos na maioria das construções é a falta de tecnologia mínima para as necessidades diárias. E não estamos falando de elétrica ou equipamentos supérfluos, mas sim de utilidades diárias, como exemplo TV`s, Computadores e Smartfones. Neste artigo falaremos um pouco sobre quais infraestruturas de cabeamentos teremos que adicionar nas residências para suprir as necessidades atuais.

Em meu trabalho vejo diariamente, em grande parte das obras, a falta de infraestrutura para cabeamento estruturado. E o que seria Cabeamento estruturado?

Segundo Wikipédia: Cabeamento Estruturado é o cabeamento de um edifício ou uma série de edificações que permitem interconectar equipamentos ativos, de diferentes ou iguais tecnologias permitindo a integração de diferentes serviços que dependem de um conjunto de cabos como dados, telefonia, controles, antenas, etc...

Cabeamento Estruturado trata-se de uma distribuição interna de cabos de alta performance, com o intuito de permitir a automação e transmissão de sinais, garantindo flexibilidade de mudanças, longevidade da rede em relação a novas tecnologias, conveniência e conforto. Também será a infraestrutura que irá fornecer a residência toda autonomia para os equipamentos modernos de IOT. E o que seria IOT?

Segundo Wikipédia: IOT (Internet Of Things) Internet das coisas é um conceito que se refere à interconexão digital de objetos cotidianos com a internet, conexão dos objetos mais do que das pessoas. Em outras palavras, a internet das coisas nada mais é que uma rede de objetos físicos capaz de reunir e de transmitir dados.

Nesta infraestrutura de Cabeamento Estruturado deverão estar integrados todos os subsistemas como telefonia, intranet, internet (convencional ou banda larga), interfonia, controles de acesso, segurança patrimonial, CFTV (circuito fechado de TV), antenas de TV aberta, antenas de TV coletivas, antenas de TV por assinatura (cabo, satélite ou rede de dados).

Para esta infraestrutura usamos a norma ANSI/TIA/EIA 570ª – “Residential Telecommunication Calling Standart”, que são definidos em 2 Graus:

*Grau 1: Provém um cabeamento genérico básico, que atingem os requisitos mínimos para serviços de telecomunicações (Telefone, Dados, Satélite e CATV). Mínimo 1 canal CAT.3 ou superior e 1 canal coaxial série 6 (RG6);

*Grau 2: Provém um cabeamento genérico avançado, que atingem os requisitos atuais e futuros serviços de telecomunicações multimídia. Mínimo 2 canais CAT.5, CAT.5e, ou superior, 2 canais coaxiais série 6 (RG6) e 1 par de fibra ópticas (opcional).

Utilizando estas normas e técnicas chegaremos a uma topologia aproximada a figura abaixo:


Desta forma, teremos uma boa base para cabeamento estruturado apropriado a várias tecnologias.

Porém, com pensamento que a tecnologia no mundo atual é muito rápida, e que, segundo estudos, na média construímos casas no Brasil para viver cerca de 10 anos, temos que projetá-las pensando no futuro. Haja vista que rapidamente teremos a entrada da rede 5G, que será aproximadamente 100 vezes mais rápida que a atual 4G. Ou seja, se não prepararmos as residências futuras para tal, estes subsistemas não terão a eficiência determinada.

Sempre utilizaremos, para flexibilidade de ações, a topologia de “Rede em Estrela” que significa que todos os cabos partem de uma única central chamada de “Quadro de Comando e Controle”.

Criamos então uma rede cabeada de Dados, intranet, que contemplará todos os pontos da necessidade de internet, como TV`s (evitando o “esquadrejamento das imagens” em “streaming”), como roteadores de internet calculadamente distribuídos para cobertura de toda área da residência (“Wi-Fi”) para as necessidades móveis, os pontos de telefonia fixa para uma possível utilidade de linha, interfonia para o atendimento da entrada em qualquer possível cômodo da residência e em pontos de segurança patrimonial, sendo de gravadores de vídeo (CFTV) ou alarmes com aviso via internet. Esta rede deverá ser contemplada com canais independentes de CAT.5e ou superior, que poderão ser alterados no quadro de comando em qualquer momento apenas com trocas de “patch cord” (cabo de ligação).

No setor de antenas, geramos então uma rede com todos os cabos partindo do “Quadro de Comando e Controle” para cada ponto de TV aberta, para cada ponto de TV coletiva, para cada ponto de TV por assinatura e para cada ponto de CFTV onde teremos a necessidade destas comunicações. Também é importante contemplar detalhes específicos, como exemplo, algumas operadoras utilizam 2 cabos para alimentação do sinal de seu receptor. Não é admitido a utilização da topologia de distribuição “via cabo tronco”, também chamado de distribuição “Varal”, pois não entregará a flexibilidade exigida à infraestrutura. Esta parte da infraestrutura de cabeamento estruturado deverá ser dimensionada com cabos coaxiais série 6 (RG6) a fim de manter a disponibilidade para todos os subsistemas descritos acima.

Apresentamos ao lado, um modelo de Quadro de Comando e Controle que contempla todos os pontos citados anteriormente, sendo, de cima para baixo, entradas de antena satelital por assinatura, entrada de antena de TV aberta, saída de todos os pontos possíveis de cabos de antenas. Saídas de todos os pontos possíveis de rede de dados, “switches” de distribuição/integração de rede de dados, POE (Power Output Extended – Extensão de saída de força) para “wi-fi”, entradas de telefonia fixa, entrada de interfonia, entrada de internet, bandeja para possíveis equipamentos e tomada de alimentação para eletrônicos.


No exemplo acima, um quadro duplo integrando a infraestrutura de cabeamento estruturado já com seus respectivos “patch cord's” e a infraestrutura elétrica tradicional.

Com esta infraestrutura conseguiremos atender todas as demandas para uma casa moderna, tais como flexibilidade e conveniência na montagem, mudança ou manutenção, longevidade para suportar as futuras tecnologias, garantia de entrega nas transmissões de sinais e preparada para IOT (Internet Of Things) Internet das coisas, podendo superar e chegar em uma residência automatizada ou até uma “Casa Inteligente”. O que é Uma “Casa Inteligente”?

É uma residência autônoma, ou seja, residência que integra todos os subsistemas com intuito de executar sozinha tarefas diárias além de trazer ao usuário segurança, sustentabilidade e principalmente conforto.


Para resumir, cada vez mais a tecnologia está incrustrada no dia a dia de todos nós, TV`s, geladeiras, máquinas de lavar e secar, comandos de voz, robôs e etc... Então, como profissionais, temos que pensar no bem comum unindo conhecimentos e esforços para entregar o melhor produto para nosso cliente, neste caso, um produto que estará entre as melhores lembranças do cliente, melhores momentos da vida dele, e quiçá seu sonho.



José Carlos Avona Filho
Engenheiro Eletricista
Mod. Telecomunicações
Inspetor CERA-SP 5063135670
www.lucarhome.com.br
(19)3892-1909 – 99777-1162